Domingo do Bom Pastor… Dia Mundial de Oração pelas Vocações!

Imagem2Neste domingo do Bom Pastor, 26 de abril, Dia Mundial de Oração pelas Vocações, queremos agradecer pelo Dom da vida de um grande missionário, pastor assuncionista, que celebrou no último dia 09 de abril 50 anos de sacerdócio. Uma vida doada a Deus, ao Reino… ao povo brasileiro! Um homem simples, um coração gigante, o olhar atento, um sorriso cativante, exemplo de um SIM ao projeto de Deus para a geração mais jovem…  Pe. João Bosco Dubot, Francês de origem, pastor missionário por  opção, filho do Pe. d”Alzon, presente no Brasil desde 1969. Vamos conhecer um pouco mais deste querido padre assuncionista, que cativa a todos nós:

1- Fale um pouco de sua vida e de sua família. “Eu nasci numa11136735_10153005310059425_8044766367381665656_n paróquia (Péaule) da diocese de Vannes, na Bretanha (França) no dia 24 de setembro de 1937. Essa região da Bretanha tem uma tradição muito antiga, já estava povoada no tempo das guerras de Júlio César, no tempo fabuloso de Asterix. Existem ainda vias romanas pavimentadas daquele tempo. Minha família era profundamente católica praticante. Meus pais tiveram três filhos e uma filha. Minha irmã faleceu em 1986 e meu irmão mais velho em 2006. Fui batizado, fiz a primeira comunhão e crisma na paróquia. Minha mãe morreu quando tinha 11 anos. Não fui ao Seminário menor da diocese porque meu pai não tinha recursos suficientes exigidos pela diocese. Só tínhamos um pequeno sítio, menos de um alqueire mineiro. Dou graças ao Senhor porque nasci numa família cristã e porque encontrei a Congregação da Assunção que me permitiu estudar, graças aos bem-feitores, que sempre ajudaram a Congregação.”

10526137_10153005395654425_5853381341407283676_n2- Como foi o seu percurso vocacional? Numa família católica sempre se trocavam ideias sobre quem participaria da vida da Igreja, como religioso(a) ou como Padre.  Na minha família, havia um tio Padre, um primo meu Seminarista, uma irmã da minha mãe que quis ser freira (morreu no noviciado!). A base era a seguinte: quem vai se decidir para o serviço da Igreja? Não pude entrar no Seminário diocesano por motivos financeiros…muitas famílias religiosas passaram na escola católica em que eu estudava…10987479_10153005335109425_1233389695024121603_n Finalmente foi a Assunção que me levou. Nosso percurso era de 6 anos para estudos até o  fim dos estudos secundários. Em 1956 eu decidi continuar na Assunção para vir ao Brasil (sem comunicar essa orientação aos Superiores!) Fiz um ano de noviciado, três de Filosofia, não servi ao exército (somente 45 dias), fui professor durante um ano e segui os quatro anos de Teologia. Quando fui ordenado (3 de abril 1965) pedi ao Superior Provincial que me mandasse para o Brasil..e aí tive que estudar mais um ano na Faculdade Católica  de Lyon (Licenciatura de Teologia) e dois anos no 1908279_10153005331354425_7100324218342975751_nPontifício Instituto Bíblico (Roma) e um ano na Escola Bíblica de Jerusalém. Vim para o Brasil em 1969: cheguei ao Rio de Janeiro no dia 15 de agosto de 1969.  Passei 4 meses em Petrópolis, no CENFI,para aprender português. Comecei a trabalhar nesta paróquia no início de 1970. Assumi a Catequese da primeira comunhão.. e depois a Crisma..o curso de noivos (com o Padre Louis Lion). Comecei a lecionar no Lumen Christi (escola de Catequese) em agosto de 1970 e entrei na PUC em janeiro de 1971..Fiquei na PUC/RJ até fim de 1985, quando fui para Campinas (S.Paulo). Com a Irmã Maria Laura Gorgulho, trabalhei na animação dos Círculos Bíblicos, no Vicariato Sul, durante 12 anos. Em fevereiro de 1986 fui para a nossa casa de19810_10153005390704425_7948959615257677683_n Campinas, trabalhei na PUC/Campinas até 2002..Em Campinas a nossa Congregação assumiu uma paróquia em 1982 e assim tínhamos nossa base para a Pastoral vocacional e nossa casa de formação (Filosofia e Teologia).Tive diversas atividade em Campinas, onde eu fiquei 18 anos: Formação com os Jovens Assun cionistas, fui 12 anos o pároco da igreja S.Judas Tadeu (na região Sul de Campinas), trabalhei com as Equipes Nossa Senhora, na Pastoral Universitária da PUC/Campinas e professor . Em 2004 fui nomeado pároco da paróquia S.Judas Tadeu no Tatuapé (S.Paulo – Capital) onde fiquei 4 anos… Em 2008 fui para a nossa paróquia de Eugenópolis (MG). Aí eu tive a oportunidade de conhecer a roça brasileira e as Comunidades eclesiais de base (CEBs). Estou no Rio desde fevereiro de 2010. Além de diversos serviços na paróquia eu sou o Coordenador da Comunidade católica francofone do Rio de Janeiro.”

11093307_945659255465291_247775974_n3) Como olhar para os maiores desafios desses 50 anos? Os maiores desafios foram as diversas atividades pastorais que enfrentei. Passar de uma atividade para outra é sempre um grande desafio: Rio de Janeiro, Campinas: uma inserção na meio de comunidade faveladas, meio popular do campo (Eugenópolis), lecionar pensamento cristão na Universidade de hoje… O meu maior desafio até hoje acontece em todas as Comunidades onde trabalhei: peço ao Deus todo poderoso e
infinitamente misericordioso, que “os católicos que se reúnem para a
missa se “REUNAM” mesmo e não fiquem cada um no seu banco…rezando sozinho, ignorando o seu vizinho, não acolhendo ninguém…vivendo como numa “torre de marfim”… “

4) O que você falaria para um jovem  que se diz “vocacionado”? A vocação é um apelo que vem de Deus,11119716_10153005441989425_7126966885923021633_n por pessoas e acontecimentos, para servir. A pessoa chamada deve “interpretar” o chamado, quer dizer: discernir, entender, optar e organizar a melhor resposta a um apelo do Senhor. Todo jovem deve se perguntar: “O que eu vou fazer da minha vida? Onde, em que serviço vou ser mais útil para minha Igreja?  Para onde é que o Senhor me chama”? Eu sei que poucos se fazem esta pergunta.. mas é essencial para ser feliz encarar esta pergunta. Deus chama pelas pessoas e pelos acontecimentos. Um jovem deve ser atento aos apelos que ele ouve, deve discernir a voz de Deus no meio de tantas vozes.”

5) Como o Senhor vê o futuro da Igreja do Brasil? “Eu vejo o futuro da Igreja do Brasil com muito otimismo, com muita esperança. O Brasil cresce muito nos diversos serviços eclesiais. Muitas pessoas querem se comprometer com a fé cristã/católica. Muitos jovens optam por uma vida de compromisso. Há uma tendência a ver somente as dificuldades, as “infidelidades”. O Papa João XXIII chamava essas pessoas “Profetas da desgraça”. Eu11053353_10153005453349425_5485002043794938745_n creio que não devemos cultivar uma atitude de cegos: há muita acomodação em alguns setores da Igreja do Brasil.. , pessoas são lentas, mas devemos ser testemunhas da esperança. A nossa Igreja tomou muitas orientações missionárias enérgicas, corajosas.. mas vivemos num mundo “pagão”, cujos valores não são cristãos. A virtude consiste em ter consciência da realidade, em ter coragem de suas opiniões, de sua FÉ em Jesus cristo. Jesus nos ensinou que “não somos desse mundo” (João 17,14). A Igreja do Brasil enfrenta dificuldades de vários tipos: poucos Padres ainda, muitas vezes confusão entre Padres diocesanos e Religiosos; consciência ainda fraca da participação do laicato na missão da Igreja e na construção cristã da Sociedade (o leigo compromissado nos diversos setores da Sociedade, em particular na Cultura); A Igreja do Brasil se acostumou a receber muito dinheiro de fora…enquanto os Brasileiros católicos não entenderam ainda que  somos nós que devemos assumir nossas necessidades financeiras…missionárias.

11141214_10153005427999425_7214665653550759676_n16) Os poetas dizem que “sorrir faz bem”. O senhor está habitualmente sorridente. O Papa Francisco também quer uma Igreja mais acolhedora. Como isso é possível? “Um santo triste é um triste santo” proclama um dito popular. Eu creio que a fé nos ajuda a sorrir: é manifestar a alegria cuja fonte é o Cristo. Sorrir é manifestar a alegria de servir numa Comunidade, concreta, com qualidades e defeitos…Sorrir faz bem para a vida. Sorrir testemunha que a caminhada cristã encara a realidade com um devido desapego.. Eu estou a serviço..de Deus, da Igreja. O Senhor é o dono da vinha..eu estou momentaneamente no serviço: houve outros antes de mim….haverá outros depois de mim…A Vinha é do Senhor…Eu consagro este  tempo de que eu disponho para o10403662_10153005412504425_5366789939627937737_n Senhor… mas eu não sou daqui…eu estou caminhando para a casa definitiva..Leio de vez em quando a carta aos Hebreus capítulo 11: caminhar na fé.

7) Deixe uma mensagem. “Quero agradecer a todos que participaram da celebração de ação de graças, na quinta-feira dia 9 de abril. Quero agradecer as pessoas que me ajudaram a viver a vida de Padre. O Padre-Religioso não vive sozinho, tem que aprender com as pessoas que vivem ao seu redor, que falam com ele, que o corrigem. Louvo ao Senhor pelas pessoas que me aconselharam de muitas maneiras, que colaboraram comigo… e muitas vezes fizeram mais que eu. Deus seja louvado. Venha o teu REINO.. Adveniat Regum Tuum!”

Ele ainda escreve:

10418498_1061490087198691_6849418325481114764_n“Queridos Irmãos da Província assuncionista do Brasil. Na quinta-feira, dia 9 de abril, (2015) tivemos um dia maravilhoso, na celebração dos 50 anos de sacerdócio do P. João Bosco. Eu quero agradecer a cada um de vocês e a todos pela participação. Todas nossas Comunidades estiveram presentes. Apenas o P. Cláudio, enfermo, o P. Lamberto nosso centenário e o P.Jobson, preso pelo serviço, não puderam vir ao Rio de Janeiro. Louvo ao Senhor e à Nossa Senhora da Assunção pela alegria de todos
nós naquele dia. A paróquia da Santíssima manifestou muita gratidão para com a Congregação, nesta celebração de ação de graças. Fui muito sensibilizado também pela vinda de muitos paroquianos das outras Comunidades onde estive trabalhando. Eu sei que muitas pessoas que queriam vir não puderam estar presentes 10987713_10153005273734425_5188133971587296802_npor diversos motivos. A nossa assembleia participou com muitos aplausos. Tanto no almoço fraterno como na missa a alegria dominou: isso faz bem ao coração. Quero agradecer todas as pessoas que se reuniram a mim para louvar e dar graças ao Senhor. Quero agradecer a todas as pessoas que me ajudaram na caminhada nesses 50 anos a serviço da Igreja na Assunção. Um agradecimento especial aos bem-feitores da Assunção, na Europa e no Brasil. O nosso grupo vai crescendo. Deus seja louvado!” Pe. 
João Bosco Dubot a.a.

Ver mais fotos da celebração Jubileu 50 anos de Sacerdócio: 

DSCN4098_01

 

Anúncios

Um pensamento sobre “Domingo do Bom Pastor… Dia Mundial de Oração pelas Vocações!

  1. Um exemplo de missionário, de pastor… Obrigada Pe. João Bosco pela presença em nossas vidas e por estar com o povo brasileiro! Que Deus continue iluminando através do seu sorriso, da sua entrega, todos aqueles que precisam desta luz! Força e muita coragem!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s